A hora e a vez de Augusto Matraga

A hora e a vez de Augusto Matraga

Escrito por: João Guimarães Rosa

Editora: Nova Fronteira

Ano de lançamento: 1996

Resenha

Nos primeiros parágrafos desta história, o narrador situa o leitor no meio de um bizarro leilão, que afugenta a gente direita do local. Do mesmo modo, um leitor excessivamente puritano pode abandonar um escritor como Guimarães Rosa logo nas primeiras páginas, quando se dá conta de que o mineiro não faz concessões temáticas, nem linguísticas, e confia naqueles mais ousados, aventureiros de histórias incríveis e das formas mais originais de contá-las. Em A hora e vez de Augusto Matraga toma-se contato com a transformação de um homem endurecido pelo poder que, à maneira das hagiografias que contam a vida dos santos mártires, sofre as mais duras provações para amolecer sua alma, resgatar sua dimensão humana e trilhar rumo à transcendência espiritual. Guimarães Rosa é autor de clássicos da literatura brasileira como Grande sertão: veredas e Primeiras estórias. A hora e a vez de Augusto Matraga é uma das fascinantes novelas que integram Sagarana, outro de seus livros imprescindíveis ao leitor ativo e exigente.

Trecho do livro

“Largaram à noite, porque o começo da viagem teria de ser uma verdadeira escapada. E, ao sair, Nhô Augusto se ajoelhou, no meio da estrada, abriu os braços em cruz, e jurou: — Eu vou p’ra o céu, e vou mesmo, por bem ou por mal!… E a minha vez há de chegar… Pra o céu eu vou, nem que seja a porrete!…” P. 23

avatar

escrito por

Somos um grupo independente de especialistas em literatura infantil e juvenil, professores, pais, bibliotecários e contadores de histórias com um único objetivo: formar uma aldeia, um coletivo de pessoas que vive e experimenta leituras.

gostou? compartilhe!

comente pelo facebook

deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.