Quando nasce um monstro

Quando nasce um monstro

Livro: Quando nasce um monstro

Escrito por: Sean Taylor

Ilustrado por: Nick Sharratt

Editora: Salamandra

Muitas coisas podem acontecer quando nasce um monstro. Algumas, completamente inesperadas. Outras, nem tanto.

Se ele se tornar seu amigo e for até sua escola, por exemplo, talvez se transforme em um dos melhores alunos. Mas, e se ele comer você?

Neste livro, Sean Taylor explora com bom humor e altas doses de absurdo as diferentes consequências que cada ação pode provocar em uma narrativa.

Com um texto circular, que remete à uma brincadeira sem fim, o leitor é convidado a embarcar em um jogo onde a imaginação não tem limites.

Afinal, quando nasce uma história tudo é possível, não é mesmo?

*****
Confira como foi a leitura na casa de nossa assinante MCris:

Quando chega um pacote, existe apenas uma possibilidade: abri-lo depressa! Mas desta vez os meninos concordaram em tomar um bom banho ao voltar da escola, de modo que o papel pardo foi rasgado pelas quatro mãozinhas um pouco mais tarde, em cima da minha cama, com cuidado pra não estragar o desenho caprichado de um peixe, que selava o embrulho.

A capa vermelha do livro chamou logo a atenção, assim como a miniatura autoadesiva que colamos na página correspondente ao Mês 01 do nosso Passaporte (exclusivo para as viagens do Clube de Leitores d’A Taba.


A história foi muito bem recebida pelos meninos, que verificaram se havia monstros debaixo da minha cama (não havia, no momento), se esconderam entre o lençol e o cobertor, experimentaram várias configurações para os meus três travesseiros e riram bastante. A característica mais apreciada do(s) monstro(s) foi a discrepância na cor dos olhos. A circularidade da narrativa foi prontamente identificada: repetimos a leitura duas vezes. Espero que nos próximos dias eles usem a frase “existem duas possibilidades” nas suas brincadeiras e nas conversas com as professoras da creche, a mãe e o pai.

Como eles costumam observar atentamente as expressões dos personagens (e das pessoas em volta também), em nenhum momento ficaram preocupados. Numa próxima visita, gostaria de aproveitar as sugestões do Mapa de Exploração do Livro e chamar a atenção dos meninos para as notas dos autores (os desenhos na parede da sala de aula são uma delícia) e para a brincadeira com os tipos, que pode ajudá-los a fingir que já sabem ler (podemos preparar uma pegadinha para o papai e a mamãe)!

==> Clique aqui e leia o texto completo em Zero menos nada

avatar

escrito por

Somos um grupo independente de especialistas em literatura infantil e juvenil, professores, pais, bibliotecários e contadores de histórias com um único objetivo: formar uma aldeia, um coletivo de pessoas que vive e experimenta leituras.

gostou? compartilhe!

comente pelo facebook

deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.