Petit, o monstro

Petit, o monstro

Escrito por: Isol

Traduzido por: Geruza Zelnys

Editora: MOV Palavras

Ano de lançamento: 2014

Resenha:

A contradição entre o título e a imagem do garoto sorridente na capa já prepara o leitor para descobrir que Petit é mais parecido com a gente do que podemos imaginar…

Com um texto divertido, Isol vai nos apresentando o personagem, pouco a pouco, a partir de suas ações e das dúvidas que elas despertam. Às vezes fazendo coisas boas, às vezes fazendo coisas ruins, o menino não sabe responder por que é tão difícil descobrir o que é certo e o que é errado.

As imagens, que podem parecer simples num primeiro momento, escondem uma riqueza de detalhes que ampliam o sentido das palavras, construindo um livro que abre espaço para muitas leituras e conversas.

(Resenha produzida pela equipe A Taba, especialmente para o exclusivo Mapa de Exploração da obra.)

Como foi a nossa leitura?

Um belo livro que nos faz refletir sobre alguns termos usados para classificar as pessoas que as vezes podem nos confundir ou até nos deixar extremamente tristes.

– Você é um bom menino.

– Você é um mau menino.

Quando li este livro me lembrei muito da história “Mamãe zangada”, da autora Jutta Bauer. São reflexões sobre a forma de abordar palavras, ações, expressões, que para alguns adultos não são tão graves, mas que para muitas crianças pode deixa-los “despedaçados”, confusos.

Muitas vezes tudo parece difícil, ou tudo parece que está errado. Em outras, até quando tentamos acertar, erramos.
Para mim, Petit não é um monstro, ele só está tentando ser uma criança, mas que às vezes perde o controle de suas ações.
E para você? Como foi a leitura dessa obra em casa?