Para conversar sobre assuntos difíceis…

…bom humor é fundamental. Pelo menos para a escritora inglesa Babette Cole.

Com um estilo muito original e inovador, a autora presenteia seus leitores com livros que abordam assuntos sobre os quais, muitas vezes, se evita falar com as crianças. Sexo, divórcio, morte e diversidade são alguns deles. E o melhor de tudo, Babette Cole parece fazer questão de não apelar para o moralismo e para o didatismo. Ou seja: suas obras apresentam qualidade literária e exploram com graça e inteligência as relações entre o texto escrito e a imagem.

Para ela, não existe tema que não possa ser tratado com pequenos leitores. Há sempre uma forma de se falar verdadeiramente sobre qualquer assunto, respeitando a inteligência das crianças, convidando-as a uma reflexão divertida sobre as singularidades da experiência humana.

No Brasil, vários de seus livros foram editados na primeira década desse século. No entanto, muitos deixaram de ser publicados, sendo encontrados apenas em sebos.

Para quem ainda não conhece o trabalho dessa autora incrível, a equipe do Leitura Em Rede recomenda alguns deles:


Os pais decidem revelar a seus filhos o grande mistério: como nascemos. Atentas, as crianças observam as teorias inusitadas dos pais, desde bebês trazidos por dinossauros e crianças feitas no forno a mães que botam ovo. Diante  de tantos absurdos, os filhos resolvem explicar o fenômeno aos pais, utilizando desenhos para que melhor entendam. O livro da escritora e ilustradora Babette Cole é uma excelente explicação para essa pergunta que muitos de nós não sabemos responder, sem algum embaraço. A linguagem utilizada para dar voz às crianças faz com que a abordargem da questão seja divertida e sem constrangimentos.


Babette Cole é mestre em tratar, de um jeito bem-humorado e acessível para as crianças, assuntos considerados difíceis por muitos adultos. Em Dois de cada, o assunto é a separação dos pais. Logo no início do livro, apresentam-se os irmãos Demetrius e Paula Gentefina que “tinham dois pais muito complicados, que nunca se entendiam”. De modo divertido, a autora explora as dificuldades de convivência enfrentadas pelo casal. O sentido do texto se completa com a observação atenta das ilustrações, como no exemplo: “mamãe infernizava papai por causa do mau estado da casa” – na ilustração, uma flechinha aponta um vaso despencando do alto, em direção à cabeça do pai! As provocações do casal são hilárias e propositadamente exageradas. As ilustrações mostram o casal de filhos assistindo a tudo com preocupação e tristeza até que são aconselhados por um padre a “des-casar” os pais. O protagonismo das crianças na resolução do conflito permite discutir, com leveza e irreverência, sentimentos e fantasias comuns ao universo infantil em situações extremas como essa.


As crianças estão sempre perguntando sobre o mundo e sobre as contradições da experiência humana. E mesmo que estejamos abertos ao diálogo, há sempre questões sobre as quais deixamos de falar. Seja porque as desconhecemos, porque não sabemos como tratá-las ou ainda, porque nunca havíamos parado para pensar sobre o assunto. É esse o mote do livro “Mamãe nunca me contou”. Por que temos umbigo? Quando alguém troca de nariz, o que acontece com o velho? Com um texto ágil e ilustrações divertidas, mais do que oferecer respostas, o livro é uma grande celebração de nossa incrível capacidade de questionar.


Todos sabemos que a adolescência é um período repleto de mudanças que geram instabilidade, dúvidas e muita confusão. Em “Cabelinhos nuns lugares engraçados”, as transformações provocadas pelo Sr. e pela Sra. Hormônio são o mote para conversar sobre a passagem da infância para a vida adulta, provocando riso e identificação em leitores de todas as idades.