Tá tudo bem, neném!

Tá tudo bem, neném!

Escrito por: Emmanuelle Houdart

Ilstrado por: Emmanuelle Houdart

Editora: Edições SM

Resenha

Quem tem um bebê pequeno com certeza já repetiu inúmeras vezes a frase que dá nome a esse livro. Seja para acalmar a pequena criança diante da surpresa do mundo, seja para acalentar os pais também assustados com a chegada de uma nova vida.

Brincando com as rimas e com diferentes personagens fantásticos e objetos que fazem parte do universo das crianças, a autora cria um divertido jogo de repetição no qual os pequenos irão embarcar facilmente pedindo “de novo!”.

(Resenha produzida pela equipe A Taba, especialmente para o exclusivo Mapa de Exploração da obra.)

Como foi a leitura com os pequenos?

Desde a primeira vez que folheei esta obra escrita por Emmanuelle Houdart, consegui de imediato dialogar de maneira muito próxima com uma fala que uso diariamente com os bebês, e que funciona muito bem diante de situações do nosso cotidiano com as quais eles precisam lidar, como por exemplo: questões de espera, quando estão incomodados ou necessitam de ajuda encarar alguma situação nova. Para cada pergunta elaborada no decorrer na narrativa, as respostas vão surgindo regadas de conforto e um convite irrecusável, que é o desejo de ouvir e ler novamente.

Monstro? Dragão? Diabinho?…Uma sereia de mãos ligeiras? Um coelho enorme? Uma Unicórnea lendo?

Personagens que poderiam causar medo são apresentados neste livro como verdadeiros brincalhões e que fizeram a alegria de todas as crianças para as quais apresentei essa história. A autora consegue envolver os ouvintes dessa narrativa, apresentando personagens inusitados e o que poderia, num primeiro momento causar medo e assustar as crianças, são na verdade seres fofinhos, simpáticos e amistosos que querem apenas brincar e se divertir com o outro personagem da história, que é o neném. Uma descrição divertida e rimada que arrancou tanto dos adultos como das crianças deliciosas risadas e o incansável desejo de encontrar o que se escondia em cada página.

E o mais legal de tudo foi ver a curiosidade de cada criança querendo descobrir quem estava na página seguinte escondendo mais um objeto do neném. E depois de muitas vezes ouvindo o pedido para eu ler novamente, já se antecipavam a minha resposta e gritavam o nome do personagem.

Chegou um momento em que não consegui mais contar por quantas vezes este livro foi lido para as crianças, pois esta se tornou a narrativa mais apreciada – tanto por mim como por eles.

A cena que mais me chamou atenção no decorrer desse período foi ver a ação de uma pequena menina, reproduzindo o comportamento dos personagens com objetos encontrados pelos seus trajetos. Usando almofadas e panos para esconder as coisas e imitando os monstros fazendo barulhos, caras e expressões muito engraçadas.