Ivan Filho-de-Boi: um conto de mitologia russa

Ivan Filho-de-Boi: um conto de mitologia russa

Escrito por: Marina Tenório

Ilustrado por: Fernando Vilela

Editora: Cosac Naify

Ano de lançamento: 2003

Resenha

As bylinas são narrativas épicas com mais de mil anos, que contam a vida e as aventuras dos bogatyres: super-homens russos com poderes especiais, tanto físicos quanto morais. Essa e outras informações sobre os mitos russos estão na apresentação de Tatiana Belinky para mais este livro da coleção Mitos do Mundo, da Cosac Naify, cuja proposta é levar a magia mítica de diferentes povos às crianças e aos adolescentes. A descendência materna russa, bem como a vivência em Moscou marcada pela presença dos mitos na sua infância, faz de Marina Tenório uma excelente contadora e divulgadora de sua tradição. Neste livro, ela conta, com a ajuda primorosa das xilogravuras de Fernando Vilela, reconhecido ilustrador, a história fantástica de três meio-irmãos, filhos do mesmo pai com uma nobre, uma cozinheira e uma vaca. Isso, uma vaca! Mas, há que se levar em conta que eles nascem magicamente depois que as três comem o peixe de escamas de ouro. Na narrativa, que recupera o repertório das canções russas, o objetivo é decidir qual dos três filhos é o mais forte e que celebrará bodas ao final. Entre uma aventura e outra, uma velha conhecida dos contos de fadas – a Baba-Iagá – também aparece para nos assustar. O livro entrou para o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), em 2005.

Trecho do livro

“‘Espere só, filho de boi! Agora você não escapa’, pensou a feiticeira, remoendo-se de ódio. Vestiu-se de mendiga e correu para a estrada. Os irmãos logo apareceram. Ela estendeu a mão e pediu esmola. Ivan Filho-de-Boi teve um mal pressentimento e queria passar logo, mas disse o Ivan Tzarévich: — O nosso pai tem bastante ouro! O que custa dar uma esmola a essa pobre mulher?!” P. 5

avatar

escrito por

Somos um grupo independente de especialistas em literatura infantil e juvenil, professores, pais, bibliotecários e contadores de histórias com um único objetivo: formar uma aldeia, um coletivo de pessoas que vive e experimenta leituras.

gostou? compartilhe!

comente pelo facebook

deixe seu comentário