Desafio A Taba 12 livros em 1 ano – Reinações de Narizinho

Desde janeiro, a equipe da Taba lançou um desafio para todos os leitores: ler 12 livros de literatura infantil e juvenil e participar de uma roda de leitura para conversar sobre as obras que apresentaremos ao longo do ano.

A ideia é oferecer um panorama da produção editorial para crianças e jovens e criar na web a experiência de uma leitura compartilhada, onde todos podem comentar suas impressões sobre os livros lidos, construindo uma interpretação coletiva para cada título.

Começamos em janeiro com a leitura da obra “Contos de fadas – Edição Comentada“, organizada por Maria Tatar – Editora Zahar.

Em fevereiro, o livro escolhido foi “BGA – O Bom Gigante Amigo“, de Roald Dahl – Editora 34.

No mês de março março, nossa roda foi sobre o incrível “A rainha das rãs não pode molhar os pés”, de Davide Cali – Editora Pulo do Gato.

Agora, é a vez de “Reinações de Narizinho“, de Monteiro Lobato – Biblioteca Azul, que estará à venda com um preço especial em nossa livraria.

Para participar, basta ler o livro e comentar suas impressões sobre obra nesse post durante todo o mês.

Existem três formas de assistir a conversa ao vivo:

  1. Clicando sobre o vídeo no topo desse post.
  2. Pelo nosso perfil no Google+.
  3. Pelo nosso canal no Yoube.

Se você quiser ser uma das pessoas a conversar ao vivo com outros leitores de todo o Brasil, inscreva-se preenchendo esse formulário e logo entraremos em contato para confirmar sua participação.

A próxima roda será no dia 02 de maio, às 21h.

Fique atento às postagens em nossas redes sociais e venha conversar com a gente!

A experiência da leitura vai ser muito mais interessante se puder ser compartilhada com você!

 

 




Participe da conversa!

Fiquei fascinada por todos os personagens, Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, Rabicó, Emília….Ah, a Emília, a mais especial e engraçada de todos, com suas conclusões deduzidas pela lógica ("leite, na minha opinião, é mandioca líquida"), com seu jeitinho interesseiro, com sua inteligência bonequês (a história que ela conta do "rei", do "princípe" e da "fada", em que o príncipe procura uma moça de bom coração é uma fábula maravilhosas sobre sinceridade e honestidade), e seu senso de "justiça" apurado (quando ela interfere na fábula da cigarra e a formiga em defesa da cigarra e bate a porta na cara da formiga, chamando ela de cara de coruja seca – muito engraçado!). Amei o conceito de felicidade descrito pela abelhinha no Reino das Abelhas: "Olhe, menina, lá no reiono dos homens costumam falar muito em felicidade, mas fique certa de que felicidade só aqui. Cada uma de nós é feliz porque todas somos felizes. Lá não sei como pode alguém ser feliz sabendo que há tantos infelizes em redor de si!". Lindo saber que o texto também incentiva a leitura por mostrar que a Dona Benta faz leitura compartilhada com os netos (p. 244 e 245): "Alto lá. Quem vai ler O Pinóquio para que todos ouçam sou eu, e só lerei três capítulos por dia, de modo que o livro dure e nosso prazer se prolongue. A sabedoria da vida é essa". É exatamente o que sentimos quando amamos a leitura!

Janice Kirner, permita-se comentar a tua questão pois eu também tenho a mesma dúvida após ler o livro. Na página 297, "O espetáculo", Narizinho comenta que não sabe se Tia Nastácia vem, pois tem vergonha por ser preta. E ao apresentá-la, apesar de fazê-lo como Princesa, pede que o público nao repare no fato dela ser preta, que é preta só por fora e não de nascença. Fala ainda que foi uma fada que um dia a pretejou, condenando-a a ficar assim até que encontre um certo anel na barriga de um certo peixe, quando então o encanto se quebrará e ela virará um linda princesa loura. Ao que me lembre, essa a única passagem em que o texto me pareceu preconceituoso, me fazendo pensar em como ler essa parte para as crianças. Imagino que seja necessário uma contextualização sobre o tempo em que o texto foi escrito. Agora fiquei curiosa sobre porque os pais te falaram que a obra tem conteúdo preconceituoso, que outras passagens denotam isso?

Janice Kirner disse:

A Taba, que pena, mas não conseguirei participar ao vivo… Talvez uma próxima vez!
Mesmo assim, gostaria de comentar que a leitura desse clássico da literatura infanto-juvenil brasileira foi muito proveitosa aqui em casa, para a família toda! Minha filha, mesmo pequenininha (vai fazer 3 anos) curtiu muito! Fizemos uma leitura "mesclada" (eu lia trechos e contava outros) e deu super certo! Eu também adorei o livro, que nunca tinha lido na íntegra, nem mesmo na infância.
Amamos as histórias, o protagonismo das crianças, as características bem marcantes dos personagens e as aventuras! Ah, gostaria de ressaltar essa parte! Mesmo num mundo de príncipes e princesas, com bailes, casamentos, etc., Narizinho é muito dona do seu nariz 😉 e encara aventuras muito divertidas! Minha filha agora brinca muito de Sítio e cada hora faz uma personagem. Assim, acredito que ela se identifica com um lado de cada um deles.
Trago também uma questão, se puderem colocar na roda de leitura: as crianças de hoje ainda lêem o Sítio? Conversei com vários pais que me falaram que a obra tem conteúdo preconceituoso, por isso não acham legal. O que vocês acham?
Enfim, volto depois para assistir a discussão de vocês e não vejo a hora de saber qual será o livro de maio!
Um grande abraço.

A Taba disse:

Para começar a aquecer a conversa sobre o tema, compartilhamos uma sequência didática elaborada por Denise Guilherme para a revista Nova Escola sobre o livro desse mês do nosso desafio.
Confira!
http://rede.novaescolaclube.org.br/planos-de-aula/circulos-de-leitura-de-reinacoes-de-narizinho

A Taba disse:

Janice, venha conversar com a gente na roda de segunda. Se puder participar ao vivo, será muito bom! Preencha o formulário em nosso blog com seus contatos e lhe explicaremos como proceder.
Um grande abraço e obrigada pela parceria.

Janice Kirner disse:

Acabei de assistir o video da roda de leitura de março e estou muito animada para a leitura do próximo mês! Acabei de ler Reinações… na biblioteca e não sabia dessa nova edição. Estou acompanhando o desafio desde janeiro e queria agradecer pela iniciativa incrível de vocês! Tenho uma filha de quase 3 anos e com certeza estamos aproveitando muito todas as reflexões levantadas. Beijos!