Contos e poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades – v. 1 – Primavera

Contos e poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades – v. 1 – Primavera

Contos e poemas para crianças extremamente inteligentes v1_ler9780493botaocomprar

Autor(a): Harold Bloom

Tradutor: José Antonio Arantes

Editora: Objetiva

Ano de lançamento: 2003

 

Resenha:
Harold Bloom é um dos mais atuantes e polêmicos críticos literários contemporâneos. Professor de literatura e detentor de muitos prêmios, é um valente e briguento militante da palavra escrita. Costuma criticar duramente as novas mídias e o espaço que elas ocupam na vida de crianças e jovens. Diante de muitos livros que considera ruins e de poucos desafios linguísticos e voos de beleza literários decidiu fazer uma extensa antologia do que considera essencial que seja lido antes da idade adulta e por toda a vida. O título da antologia gerou polêmica, mas ele explica que inteligente é toda criança que não tem medo de deixar a fantasia invadir seu cotidiano. Bloom faz uma ótima introdução em cada volume, explicando o motivo de cada escolha. O Volume I – Primavera – traz Shakespeare, Kipling, Keats e alguns desconhecidos de nossas crianças: Lafcadio Hearn, William Morris, Allingham. Alguns textos podem causar estranheza, mas Bloom aposta num leitor sem medo de novas descobertas.

Trecho do livro:
“E nisso havia muito, mas muito mais do que se poderia imaginar. Porque, cinco semanas depois, houve uma onda de calor no Mar Vermelho e todo mundo tirou a roupa. O parse tirou o chapéu; mas o rinoceronte tirou a pele e a colocou nos ombros quando foi tomar banho na praia. Naquela época, a pele era abotoada embaixo com três botões e parecia ser à prova de água. O rinoceronte não disse uma só palavra sobre o bolo do parse, porque o tinha comido inteirinho; e ele nunca teve modos, naquela época, naquele dia ou daquele dia em diante. Depois de deixar a pele na praia, foi rebolando direto para dentro da água e soprou bolhas pelo focinho. Então, o parse chegou, encontrou e sorriu um sorriso que dava duas voltas ao redor da sua cabeça. Depois dançou três vezes em volta da pele, esfregando as mãos.” (p. 61)

Para quem?

Para quê?

avatar

escrito por

Somos um grupo independente de especialistas em literatura infantil e juvenil, professores, pais, bibliotecários e contadores de histórias com um único objetivo: formar uma aldeia, um coletivo de pessoas que vive e experimenta leituras.

gostou? compartilhe!

comente pelo facebook

deixe seu comentário