Açúcar amargo

Açúcar amargo

Escrito por: Luiz Puntel

Editora: Ática

Ano de lançamento: 2000

Resenha

 Luiz Puntel, professor e escritor, lançou Açúcar amargo em meados da década de 1980. É um dos autores com muitos títulos publicados pela série “Vaga-lume”. Ele trata das situações delicadas vividas por colonos, boias-frias e mulheres sem vínculo empregatício. De fato, é um livro dedicado às mulheres boias-frias assassinadas ou mortas em acidentes. Com a família de Marta, que se desloca por cidades, onde o pai e o irmão conseguem trabalhos temporários, acompanhamos a saga, as preocupações e a rotina deles. Marta é uma jovem que se dedica a estudar, mesmo contra a vontade do pai que preferia que ela ajudasse em casa com algum trabalho – além do de cuidar da mãe adoentada. A tensão entre Marta e o pai intensifica-se no decorrer da história. É no seu entrelaçamento com o ciúme de Ângela da amizade de Agenor e Mudinho e com a organização dos boias-frias que a cidade de Guariba vê amanhecer dias de paralisações e confrontos por melhores condições de trabalho.

Trecho do livro:

 “Mudinho não respondeu. Preferiu seguir em frente. Agenor acompanhou com o olhar o companheiro afastar-se. E, vendo-o afastar-se, Agenor não estava certo sobre o que em Mudinho chamava a sua atenção: se era o seu mutismo, o jeito de andar, ou o mistério que envolvia tanta solidão, tanta fúria no manejo do podão.
No fundo Agenor admirava muito o companheiro, a garra, a fúria, a maneira silenciosa de ser.” (p. 60)