A preciosa pergunta da pata

Autor(a): Leen van den Berg

Editora: Brinque-Book

Ano de lançamento: 2009

 

Resenha:

 A autora belga Leen van den Berg aborda, nestse precioso e sensível livro, um tema considerado por muitos, um tabu. A pata, personagem principal e autora da mais importante pergunta feita na reunião anual dos bichos “O que acontece quando morremos?”, acabara de perder seu filhote e ainda sentia-se muito triste. Coordenada pela sábia e gigante tartaruga, a reunião se inicia com um convite aos animais presentes de juntos procurarem respostas para as perguntas difíceis. Todos têm muitas perguntas sem respostas para compartilhar: o elefante quer saber por que tem uma tromba tão comprida; uma distinta senhora quer saber por que não é uma rainha e a criança indaga o porquê de ter quede ir pra cama tão cedo. A algazarra é interrompida pela tartaruga que anuncia: “Hoje é a vez da pata. Ela tem uma pergunta muito difícil.” Esse tema tão incomum no universo dos livros infantis, porém, tão necessário e instigante, certamente nasceu da curiosidade da autora que realiza muitas pesquisas sobre o comportamento humano e foi também uma estudiosa da psicanálise. Leen van den Berg tem o poder de conduzir o leitor suavemente pelas entranhas de um universo pouco explorado e de certa forma, evitado. A ideia de compartilhar com outros as dúvidas, inquietações, angústias, e questionamentos é de uma generosidade ímpar. Através das Mediante as respostas de cada personagem, o pesar do tema vai ganhando fluidez, gerando na pata e nos leitores, um alívio libertador. As ilustrações expressivas de Ann Ingelbeen acompanham e reforçam perfeitamente todos os sentimentos gerados pelo texto durante a narrativa. Destaque para a ilustração das páginas 10 e 11 em que a personagem principal aparece curvada e com a cabeça rebaixada segurando nas asas o que parece ser uma foto ou outro tipo de lembrança do filhote perdido. Um feixe verde e claro que incide sobre a cabeça da pata contrasta com as margens marrom- escuras do restante das páginas, criando um foco de atenção na personagem, além de uma ideia de iluminação. Um livro incrivelmente sensível e necessário. 

Trecho do livro:

 “– Caros amigos, todos nós sabemos que com o passar dos anos nos tornamos mais sábios. E, mesmo tendo completado trezentos anos de idade, ainda há perguntas para as quais eu não tenho resposta. Por isso, nesta reunião anual, procuraremos juntos encontrar respostas para as perguntas difíceis – e enxugou a testa, pois não estava acostumada a falar tanto.” (P. 7)

Para quem?




Participe da conversa!